sábado, 11 de abril de 2009

Reserva Natural das Dunas de São Jacinto

As dunas de São Jacinto, que representam uma relíquia deste ecossistema litoral tão característico da Beira Litoral, estão associadas a uma mata de resinosas com cerca de 100 anos, polvilhada por núcleos de folhosas associados a pequenas zonas húmidas. Esta situação permite a reunião num pequeno espaço de elementos da fauna e flora marinha, florestal e dulçaquícola, conferindo-lhe grande interesse educativo.



Caracteriza-se particularmente pelo cordão dunar, extremamente dinâmico, num estado de conservação praticamente único e uma fixação de areias que lhe confere particular valor, no que respeita à Conservação da Natureza.
Há, ainda, a salientar a zona da Mata, plantada entre 1908 e 1929 para proteger o interior do avanço das areias sob a acção do vento e a pateira, onde se podem encontrar numerosos exemplares de várias espécies de avifauna, sobretudo anatídeos.
Assim, actualmente, os objectivos específicos da Reserva são relativos às suas características biofísicas e recursos naturais, como:

  • Protecção do sistema dunar;
  • Protecção da fauna em geral, com particular incidência para a avifauna aquática, que se refugia e nidifica na pateira e outros lagos de menores dimensões;
  • Protecção da flora existente do ecossistema dunar, flora autóctone, revitalização e renaturalização da área da Mata;
  • Educação Ambiental, mediante acções de informação / formação e visitas guiadas à Reserva;
  • Trabalhos de investigação científica sobre fauna, flora, meio físico e biofísico.

Salienta-se ainda as infra-estruturas de apoio a visitantes, como um Centro de Interpretação e um Centro de Acolhimento, com capacidade para 35 pessoas, localizados junto ao Centro de Informação da Reserva.

Criada a 6 de Março de 1979, segundo o Decreto-Lei n.º 41/79, a Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto ocupa uma área de 666 hectares. As suas dunas são sistemas formados por pequenas elevações de areia que constituem uma barreira natural entre o mar e terra, impedindo assim o avanço da água sobre o continente. Situada entre o Atlântico e a ria de Aveiro, a reserva inclui uma área de dunas litorais em bom estado de conservação. O cordão litoral, que se estende de norte para sul, culmina na povoação de S. Jacinto, ajudando a fechar a ria.Na Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto encontra-se a mata de S. Jacinto, criada em 1888 pelos Serviços Florestais, e que, apesar das dificuldades iniciais surgidas aquando das primeiras sementeiras de penisco, acabou por fixar as areias, possibilitou o aproveitamento agrícola de alguns terrenos e ajudou a fixar as dunas, que ainda hoje defendem a restinga das arremetidas do mar. Diante do oceano, e acompanhando a praia, estende-se um importante cordão dunar litoral, as dunas de S. Jacinto, afinal a razão da existência da própria reserva natural.Da praia de S. Jacinto em direcção à ria, encontram-se situações diversas no respeitante à vegetação. A praia apresenta-se como uma extensão quase deserta de plantas, que apenas fazem a sua aparição nas zonas menos expostas à água salobra. Mas é na duna primária que se torna bem visível a vegetação própria das areias litorais, aí se encontrando as mais variadas espécies de uma flora particular, de entre as quais se podem citar o estorno, o cordeiro-da-praia, a soldanela e o cardo-marítimo, o narciso-das-areias, a eruca-marítima e a madorneira. No caso de S. Jacinto, o coroamento da duna primária é, porém, dominado por espécies introduzidas pelo homem, caso da acácia e do chorão, que actualmente exigem uma atenção cuidada. De facto, se a acácia, por exemplo, cumpriu o objectivo para o qual foi plantada - estabilizar e consolidar as dunas -, por outro lado, e por se tratar de uma infestante, impediu a diversificação da flora nativa e, em consequência, do número de espécies animais à mesma associados, criando um povoamento homogéneo paisagisticamente monótono.Ainda mais para o interior e após atravessar a zona interdunar - depressão entre as dunas primária e secundária dominada pela camarinheira e onde já surge o pinheiro bravo, que, por demasiado exposto à humidade, ao vento e à salsugem, fica prostrado e denota um reduzido crescimento -, chegaremos então à duna secundária. Esta última, cuja zona posterior se estende até à ria de Aveiro, é essencialmente ocupada por pinheiro bravo, ocorrendo também a acácia e o samouco, um ou outro pinheiro manso, e sendo visíveis nas baixas propensas à acumulação de águas alguns núcleos mistos de salgueiro-anão, de amieiro e de choupo-negro.No charco maior de S. Jacinto, vulgarmente designado por pateira, dado o número de anatídeos que o frequentam, observa-se uma vegetação típica das zonas húmidas, em que se destacam a tábua-larga, o caniço e o junco, bem como o salgueiro-anão.No que diz respeito à fauna, destacam-se as aves. A galinha-d'água e o mergulhão-pequeno são uma presença constante nessas águas paradas, que periodicamente ou de forma ocasional registam a presença de patos-reais, marrequinhas, piadeiras, frisadas, negrinhas, arrábios e patos-trombeteiros. Por outro lado, as garças - a garça-branca, a garça-boieira, a garça-vermelha, a garça-pequena e a garça-real - são já visitantes frequentes de S. Jacinto, algumas permanecendo durante períodos de tempo relativamente longos. A águia-de-asa-redonda e o açor pairam sobre a Reserva Natural aguardando o momento de capturarem as suas presas, a coruja-do-mato também está presente juntamente com as raposas e ginetas, répteis como a lagartixa ou a cobra-d'água, e anfíbios como o sapo-de-unha-negra ou o pleurodelo.Diante da zona dunar e já nas águas agitadas do oceano podem-se observar, consoante as épocas do ano, diversas aves marinhas. O pato-negro, um excelente mergulhador que se alimenta sobretudo de peixes e moluscos, frequenta o litoral durante o Inverno, concentrando-se preferencialmente na zona de Aveiro. Há ainda gaivotas, guinchos e corvos-marinhos, algumas das espécies mais directamente associadas ao mar, enquanto pilritos, borrelhos-de-coleira-interrompida e ostraceiros se passeiam na praia à borda de água.Já no interior da mata destacam-se os chapins - chapim-real, chapim-carvoeiro e chapim-de-poupa. Finalmente, e nos charcos artificiais abertos no interior da mata a partir de 1984, é possível contactar com outras espécies da avifauna, atraídas por um plano de água abrigado cuja implantação visava proporcionar um refúgio aos patos da ria de Aveiro e um incentivo ao retorno das garças que em S. Jacinto já tiveram o seu ponto de nidificação mais setentrional em território português, existindo, ainda no final dos anos 70, uma colónia da garças-brancas e garças-boieiras.A Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto representa fundamentalmente um dos sistemas dunares mais bem conservados do nosso litoral .

Centro Interpretativo
Neste local, estabelece-se o primeiro contacto com a Reserva Natural das Dunas de S. Jacinto através de documentação, de painéis e de um pequeno filme.

Horário:
Todos os dias, 09h00 - 12h00 e 13h30 - 17h00

Trilho de Descoberta da Natureza
O Trilho de descoberta da Natureza é um percurso aberto aos visitantes, onde se poderão observar diversas espécies animais e vegetais, a morfologia do terreno e outros aspectos relacionados com a área. Atendendo à elevada sensibilidade da zona deve respeitar algumas regras de conduta.

Este trilho não é muito aconselhado a Lobitos, especialmente pela extensão do percurso - aconselha-se a leitura detalhada do [ GuiaTrilhoReserva.pdf | 130 Kb ]

Horário:
Todos os dias, excepto domingos, quintas-feiras e feriados, 09h00 - 09h30e 13h30 - 14h00

Notas:
É necessária marcação prévia das visitas. Há duas visitas por dia (manhã e tarde).
Número máximo de visitantes por visita: 25. Duração aproximada da visita: 2h 30 min.

Reserva Natural das Dunas de São Jacinto
3800 São Jacinto
Centro Interpretativo - tel 234 331 282
Sede - tel/fax 234 831 063
rndsj@aveiro-digital.net

Sem comentários:

Enviar um comentário